Autor gasimperial

porgasimperial

O custo do gás natural poder cair em até 50% com a nova reforma regulatória retomada por Paulo Guedes

Governo do presidente Jair Bolsonaro vai retomar o processo de reforma regulatória que foi interrompido este ano e o preço do gás poderá cair até 50%, diz ministro

O governo do Brasil pretende relançar uma reforma regulatória para o setor de gás natural do país antes do final do segundo trimestre do ano. O setor de gás natural do Brasil é visto como subdesenvolvido e super regulado, e as reformas são consideradas vitais para que o país possa explorar todo o potencial comercial de seus recursos. As operadoras reclamam que o gás natural abundante associado aos campos do pré-sal offshore às vezes atuará como um impedimento ao desenvolvimento do campo, na ausência de reformas bem reguladas.

O governo anterior do presidente Michel Temer realizou uma extensa consulta antes do programa de reforma regulatório chamado “Gas for Growth”, mas a agenda política foi abalada por questões políticas internas, incluindo alegações de corrupção feitas contra Temer, que remontam ao período. antes de ele assumir o cargo.

O novo governo, encabeçado pelo presidente Jair Bolsonaro, fez poucas mudanças nas políticas pró-investimento para o setor de petróleo que foram postas em prática por Temer.

O ministro de Novas Minas e Energia, Bento Albuquerque, confirmou nesta quinta-feira que as reformas do sistema de gás natural também continuarão, embora o nome mude para “O Novo Mercado de Gás”.

A reforma será elaborada e implementada em coordenação com o Ministério da Energia, e será liderada pelo ministro da Economia, Paulo Guedes, que defendeu medidas para estimular a entrada de gás barato e acessível no mercado interno.

Albuquerque não confirmou relatos de que o governo federal pretende usar as receitas do pré-sal para subsidiar a construção de gasodutos de gás natural.

Ele também foi mais cauteloso do que Guedes, que disse que as reformas poderiam reduzir os preços do gás em 50%.

“Eu não sei se será uma redução de 50%, porque é muito difícil quantificar isso, mas o objetivo é se o valor da eletricidade gerada pelo gás natural for competitivo”, disse o ministro da Energia.

Por que o Gás Natural do Brasil é tão caro?
Marcelo Gauto, Especialista em Petróleo, Gás e Energia, diz que os motivos básicos são: 35% do gás é importado e nossa produção de gás é majoritariamente offshore, com elevados custos logísticos. Em 2018, os distribuidores compraram gás da Petrobrás com valores entre US$ 6,0 e US$ 8,0 por MMbtu FOB e revenderam entre US$ 10,7 e US$ 19,0 o MMbtu para o consumidor final. A quebra do monopólio da Petrobrás na infraestrutura do gás, que muitos especialistas apontam como solução para barateá-lo, é apenas a ponta do iceberg.

Fonte: https://clickpetroleoegas.com.br/o-custo-do-gas-natural-poder-cair-para-50-com-a-nova-reforma-regulatoria-retomada-por-paulo-guedes/amp/

porgasimperial

Carro com GNV pode economizar mais de 50%; veja cuidados com manutenção…

Vitor Matsubara – Do UOL, em São Paulo (SP) – 08/02/2018 04h00

Conversão voltou a bombar e atrai até dono de Camaro, mas se liga: motor perde até 4% de potência

Alguns meses atrás, a foto de um Chevrolet Camaro com um cilindro de gás natural no porta-malas viralizou nas redes sociais. A cena pode ser inusitada para alguns locais do Brasil, como no Estado de São Paulo, mas é cada vez mais corriqueira em outros Estados. Quem precisa rodar muito já deve ter pensado em instalar um kit GNV (gás natural veicular), independentemente do modelo de carro. E empresas já tradicionais no mercado têm atualizado suas oficinas para instalação do sistema em automóveis, chamada de conversão, de olho nesta nova onda de interesse.

Além de donos de Camaro, o grupo de interessados no GNV segue crescendo — é formado por frotistas, taxistas e profissionais de aplicativos de transporte particular, como Uber e Cabify — esse nicho, aliás, está em franca expansão. Com isso, UOL Carros resolveu mostrar como está o serviço atualmente. A promessa é de reduzir o consumo médio em 50%… mas há também os contras e até “manhas” e “pegadinhas”.

Voltando ao assunto inicial, por que um dono de Camaro instala um cilindro de gás para abastecer seu V8? Essa é uma das manhas do GNV.

“Vários donos de modelos importados ou esportivos estão aderindo ao GNV pelo desconto no IPVA. É por isso que você vê postos nestes estados com vários carrões nas bombas de gás natural”, explica Ricardo Vallejo, gerente de GNV da Comgás. 

Enquanto motoristas do Paraná pagam 71,4% a menos, quem mora em Alagoas tem um desconto de 45% a 54%, dependendo da potência do carro — a alíquota cai para apenas 1,5%, assim como no Rio de Janeiro, onde o abono chega a 75%.

Conversões bombando…

Se não há mais projetos de fábrica, como no auge do ciclo do GNV (em 2007, a Fiat lançou o Siena Tetrafuel, que aceitava gasolina pura, gasolina “brasileira”, etanol, além de trazer o cilindro de GNV de série), o número de conversões realizadas está longe do marasmo — de fato, o serviço está bombando, com o perdão de qualquer trocadilho.

Em 2017, cresceu 61% em São Paulo, comparando com o resultado de 2016. Este volume deve ser maior se o projeto nos moldes do praticado no Rio for aprovado. “Vamos propor uma iniciativa semelhante, mas com limitação de valor para carro para beneficiar quem realmente precisa do desconto”, afirma Vallejo.

Mas como funciona a conversão, na prática? O serviço de conversão pode ser feito em qualquer oficina credenciada pelo Inmetro. Nossa reportagem visitou a Instala GNV, que pertence à Comgás (empresa paulistana de gás canalizado e maior distribuidora do combustível no país) e é a primeira loja deste tipo no Brasil — de resto, o que se vê são oficinas mecânicas mais ou menos especializadas realizando a prática. Localizada no Brás, zona central de São Paulo (SP), o local possui até dinamômetro para realizar testes de rodagem antes de devolver o veículo ao cliente.

Até a localização foi escolhida a dedo: normalmente o serviço é realizado em até um dia, mas pode levar mais tempo dependendo do modelo do veículo, e a proximidade de soluções públicas de transporte é tratada como diferencial.

Nem todo serviço é rápido, já que alguns carros podem demandar pequenos serviços de funilaria para a instalação do kit de conversão para gás natural.

O que se economiza?

No cálculo inicial, sobram vantagens para quem realiza a conversão: além do IPVA menor, tem-se a promessa de aumento da autonomia do veículo, com redução do custo pago na bomba de combustível. Levantamento realizado pela Comgás explica que o custo do quilômetro rodado com GNV é de R$ 0,17, contra R$ 0,40 da gasolina e R$ 0,41 do etanol.

Considerando que cada m³ de gás natural permite rodar até 14 km, a economia pode chegar a 58% em relação à gasolina e 59% em comparação com o etanol.

Traduzindo em valores, o motorista precisa desembolsar R$ 17 para rodar 100 km em um carro movido a GNV, contra R$ 40 se o combustível for gasolina e R$ 41 com etanol. A empresa diz que é possível rodar até 181 km com GNV desembolsando apenas R$ 30 — com o mesmo valor dá para andar 75 km com gasolina e 74 km com etanol.

O cálculo levou em consideração os seguintes valores para os combustíveis: R$ 4,189 pelo litro da gasolina; R$ 2,984 pelo litro do etanol; GNV a R$ 2,468 pelo m³. Os números, que são de janeiro de 2018, foram obtidos na ANP (Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Bicombustíveis).

Fonte: https://carros.uol.com.br/noticias